quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Sábio Neruda, palavras que dançam na língua...

É Proibido


"É proibido chorar sem aprender,


Levantar-se um dia sem saber o que fazer


Ter medo de suas lembranças.


É proibido não rir dos problemas


Não lutar pelo que se quer,


Abandonar tudo por medo,


Não transformar sonhos em realidade.


É proibido não demonstrar amor


Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.


É proibido deixar os amigos



Não tentar compreender o que viveram juntos


Chamá-los somente quando necessita deles.


É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,


Fingir que elas não te importam,


Ser gentil só para que se lembrem de você,


Esquecer aqueles que gostam de você.


É proibido não fazer as coisas por si mesmo,


Não crer em Deus e fazer seu destino,



Ter medo da vida e de seus compromissos,


Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.


É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,


Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se


desencontraram,


Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.


É proibido não tentar compreender as pessoas,


Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,



Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.


É proibido não criar sua história,


Deixar de dar graças a Deus por sua vida,


Não ter um momento para quem necessita de você,


Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.


É proibido não buscar a felicidade,


Não viver sua vida com uma atitude positiva,


Não pensar que podemos ser melhores,


Não sentir que sem você este mundo não seria igual."

Pablo Neruda

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Epitáfio

Acordei tarde, perdi compromissos importantes e esta música fica se repetindo na minha cabeça, é como um mantra pra deixar claro que muitas preocupações não são importantes, nós é que supervalorizamos o banal.
Pertencemos ao mundo e ele nos pertence, partes que se encotram e afastam, dança de viver, é só escolher o ritmo e chamar os parceiros de dança ou se for necessário bailar sozinho.

"Devia ter amado mais



Ter chorado mais


Ter visto o sol nascer


Devia ter arriscado mais


E até errado mais


Ter feito o que eu queria fazer...


Queria ter aceitado


As pessoas como elas são


Cada um sabe a alegria


E a dor que traz no coração...


O acaso vai me proteger


Enquanto eu andar distraído


O acaso vai me proteger


Enquanto eu andar...

Devia ter complicado menos


Trabalhado menos


Ter visto o sol se pôr


Devia ter me importado menos


Com problemas pequenos


Ter morrido de amor...


Queria ter aceitado


A vida como ela é


A cada um cabe alegrias


E a tristeza que vier...
O acaso vai me proteger


Enquanto eu andar distraído


O acaso vai me proteger


Enquanto eu andar...(2x)
Devia ter complicado menos


Trabalhado menos


Ter visto o sol se pôr..."
Composição: Sérgio Britto

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Represa do Guarapiranga


Domingo e resolvemos dar uma volta. guiados pelo grande Luíz visitamos alguns pontos interessantes do bairro. Visinhos da represa de Guarapiranga devido ao cotidiano não apreciamos algumas belezas tão próximas. Mas como domingo é dia de alegria, almoçamos e partimos para nossa aventura, cheia de carrapichos, vento, calor e paisagens lindas.
O passeio será divido em várias postagens, muitas informações...E pena que não dá pra capturar nas fotos as risadas e comentários...
PRAINHA- REPRESA DO GUARAPIRANGA
BAIRRO RIVIEIRA






Saber viver é redescobrir encanto onde não se via mais, rir sem pressa, apreciar, tocar e se tocado, compartilhar.
Obrigado Universo Poderoso pela vida, a natureza, os domingos ensolarados com tempestade ao anoitecer.

sábado, 8 de janeiro de 2011

Projeções, medos, defeitos e vida virtual

Conversei outro dia com uns amigos sobre como as pessoas se mostram na internet, como projetamos nossas qualidades e esquecemos todas nossas falhas ao criar os perfis nas páginas sociais, pensei bastante sobre o assunto, não que isso seja algo fundamental, mas me fez refletir sobre o tempo que passamos na fente do computador e do mundo paralelo de convivência.
Nunca falo dos meus medos, eles são a parte mais obscura da minha essência... É mais fácil mostrar um sorriso no rosto do que admitir as fraquezas.
Resolvi mudar isso, não vou virar estas pessoas chatas que levantam bandeira de coitadinha, isso realmente não combina comigo!
Tenho medos!!!
Medo de amar muito, de temporais, de espirítos desencarnados, de cachorros e não sou boa para demonstrar sentimentos.
Sou inconstante,desconfiada,  impulsiva,contraditória, agitada e impaciente.
Falo muito de coisas que não me dizem nada e me calo sobre as questões que realmente me tocam.
Começo planos e os abandono quando ficam cansativos ou aparecem novas idéias, e elas sempre aparecem...
Gosto de brincar com a vida, assim fica parecendo que não ligo, então ninguém pergunta o que não quero responder.
Tenho boa memória e isso muitas vezes não é produtivo!
Sou chata quanto a limpeza e organização da minha casa.
Sou habilidosa para administrar dinheiro, mas não me seduzo por posses ou status, prefiro ter liberdade, quem tem pouco para cuidar tem mais tempo para viver.
Sou viciada em trabalhar e deixo as pessoas que me amam de lado para satisfazer minhas buscas profissionais, mesmo que elas não sejam remuneradas, minha curiosidade me deixa hipinotizada.
Como muito doce, bebo muito café, e sou indisciplinada, odeio receber ordens ou ser controlada, quando isto acontece tendo a rebeldia.

Pronto agora já deixei minha vida virtual mais real, se isso for algo possível. E talvez deixe minha vida real mais virtual...

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Quem quer ir no teatro?

Fanfarrões, a Peça



Gênero: Comédia


Cia Teatral Os Fanfarrões chega a São Paulo com seu time completo, Mineirinho de Maceió e Raul Franco comemoram o terceiro aniversário da Cia os Fanfarrões como eles mais gostam, no palco, A Cia leva pra cena uma comédia popular, no melhor sentido, pois toda inspiração veio de grandes comediantes brasileiros, como Oscarito, Grande Otelo e Mazzaropi, e no humor inocente de Buster Keaton e Charles Chaplin. ... (mais)


Texto e direção: Raul Franco e Mineirinho de Maceió.


Estréia dia 15 de Janeiro (sábado)


Até 26 de Março, sábados, às 22h30


Teatro Ruth Escobar - Sala Miriam Muniz (59 lugares)


Rua dos Ingleses, 209 (Bela Vista)


Tel: (11) 3289-2358


Acesso para portadores de necessidades especiais
Fonte: http://www.sampaonline.com.br/cultura/guiacultural_teatro.php

Dicas para um ótimo começo de ano!

E quem disse que no ano novo é bom usar branco!?!
Deveria experimentar romper estes padrões, soltar a franga e desfilar um pouquinho pelo bairro, garanto bons risos e um início de ano muito descontraido. Se quiser uma forcinha pra sair da casca é só nos chamar!!!
 Que nós somos meninas boazinhas, sorridentes, fortes, já sabemos... agora o que acontece quando começamos o ano assim... Só  em 2011 saberemos....
 Ano novo na minha casa é sinônimo de aniversário, vale cantar parabéns várias vezes! Durante o dia 01!
Junto com as velas, acrescente sorrisos, e vários pedidos! Pode ser num bolo de caneca, confeitado, o que vale é acreditar!

 Na madrugada, junto com a ceia da virada!
 E se ficar com vontade de cantar e soltar os bichos, é só se aventurar, disputar com as criancinhas e sair com a auto estima lá no céu!
Então nada de ir pra Paris, Copacabana, Av. Paulista ou outros destinos requintados, a receita é simples:
Encontre quem realmente gosta de você, se reinvente, entregue-se ao acaso, brinque muito, visite a porta do hospício, embrenhe-se no mato, veja vagalumes, água mansa e coma bem. Resultado: Muita sorte e alegria!
O resto é só acompanhamento, o prato principal só depende de cada um dos ingredientes humanos se encontrarem e comungarem de sentimentos livres e alegres!

sábado, 1 de janeiro de 2011

Ano Novo 2011

Preparei a ceia com dedicação,me arrisquei inventando receitas e convidei as pessoas que amo para compartilhar, algumas não puderam vir...
Não me importo com estas tradições e superstições que envolvem o heveillón, roupa nova, pular ondinhas, comer uvas, lentilhas e blá, blá, blá...
Gosto de ver os fogos, acho lindo! Ver as pessoas desinibidas abraçando estranhos e desejando boa sorte, das comidas e do gostinho bom do espumante barato que faz cócegas no céu da boca.
Recebi minha amiga Beth e sua família, figuras maravilhosas, ela com sua personalidade e presença marcante, seu pai com humor inteligente e perspicaz,  sua mãe a bela Vera uma dama, delicada, quase um personagem de filme em preto e branco, e a Ana minha filha que já é obrigada a viver comigo o ano todo.
Compartilhei meus adereços e cada um escolheu sua forma de brincar com a imagem, peruca, tiarinhas sugestivas, óculos e saimos pela rua, rsrs.
A represa foi nosso destino, nos embrenhamos no meio do mato, num baita escuro, com direito a sapinhos e vagalumes, a água mansa balançando, barquinhos e pescadores ao longe,  a queima de fogos com corações se formando no céu, misto de imagens e sensações. 
Em meio a este cenário pensei no que poderia prometer pra 2011, e decidi não prometer nada, quero aflorar meus instintos, soltar a voz, fazer o que der na telha. Segundo o calendário Maia em 2012 o mundo vai acabar, então este será o ano de dar vazão aos sentidos e sentimentos!
Hoje também é uma data pessoal, aniversário da minha filha e meu de mãe, são treze anos nesta jornada de descobertas, não encontro palavras para descrever o que se sente com o nascimento de um filho e certamente esta sempre será a data mais importante da minha vida, já que é pouco provável que eu tenha outro, seremos nós duas e a vida. 
E para 2011 que existam muitos encontros e desencontros, que a lua brilhe no céu, que os sabores sejam únicos!