segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Palavrices

Férias com chuva para alguns é algo ruim...mas em casa quentinha com um pouco de sossego não resisto ao aconchego das letrinhas, umas para ler, outras para escrever.
E nestes dias brinquei um pouquinho, seguem alguns sopros, assovios e grunhidos...

*
Me interessa o que fui, o que sou, o que posso vir a ser.

*
Num canto vazio
um corpo vadio
transborda lamentos.

O corpo cansado
marcado, suado
procura alimento.

O corpo no copo.
*
A poesia é
a lágrima que não sei derramar,
o leite que não pude beber.
A vida que pensei ser minha...
e não cheguei a ter.
*
Desatento

Mesmo sem você ouvir a história aconteceu.
Mesmo sem te interessar a vida prosseguiu.
E sem você perceber, me percebi sozinha.

*
Não queria ser poeta, pois a saudade que ampara a caneta.
Queria ser bicho, sentidos saciados sem argumento.
Só corpo, só carne...
Não queria ser poeta, bastaria ser feliz.

*
Combinam a carne, o gosto, o cheiro.
Desconhecem essência, decência, piedade.
Suor, rangido, atrito, prurido.
Silêncio, plásticos cortados.
Palavras, facas afiadas.
Combinam o sêmen, separam a alma.
*
Palavrices, brincadeiras, brincalavras, palavras.

sábado, 26 de novembro de 2011

Apaixonada

Fui arrebatada com todo exagero que a paixão permite, estou apaixonada, sem meios termos, os que vieram antes que me perdoem...
Terminei finalmente a leitura do meu livro querido, trapaciei, reli umas folhas, era tão bom tê-lo por perto, mas a chuva numa tarde de sábado em plena primavera  fez-me encerrar esta relação tão intensa.
Eu e Balzac nesta cidade doida que nos dias quentes exala feromônio do asfalto brilhante e nos dias frios encerra seus habitantes nas caixinhas de morar...E assim com chuva a bater na janela me apaixonei por Balzac, nem Shakespeare, Neruda, Suzak e tantos outros que passaram por minhas mãos me fizeram sentir assim, refletir sobre a mulher que sou e a mulher que desejo ser.
E depois dessa confissão sobra-me indicar a leitura A MULHER DE TRINTA ANOS de Honoré de Balzac.

sábado, 12 de novembro de 2011

Devolutivas

Falo, reclama.
Calo, reclama.
Reclamo, briga.
Desapareço,vem a  procura.
Procuro, acho o silêncio.
Esquece, esqueço...
Passo...
Olha o tempo e me conta.
Me toca e cala!
Sentido, sem sentido.
Passado...
Perdido?
Encontra o corpo, esquece a alma.
Sei bem é fragmentado, fatos, rastros.
Essas lacunas são cheias de passos...
E caminhos que caminhavam juntos...
Ficam assim separados.
Sem pressa, sem tempo!
Sem jeito de seguir em frente.
Devolva-me o que te cansa,
sei um jeito de carregar sem te pesar.
Mãos vazias duram pouco!

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Testes de uma iniciante na culinária de CupCakes

Estou quase maluca, com uma infinidade de coisas para finalizar, mas como ninguém é de ferro, pensar em docinhos é uma boa forma de acalmar a tensão.
Tinha uma receita de bolo de chocolate que adoro, resolvi fazer umas adaptações e uso agora para fazer CupCakes, os primeiros foram verdadeiros fiascos mas agora já estão bem gostosos.
Algumas dicas preciosas:
Use forminhas de metal para dar forma aos cupcakes, eles são assados direto nas forminhas de papel, mas sem as bases de metal, eles ficam tortos e com aparência feia, e comida bonita é algo indispensável.
Asse em forno médio, assim eles assam por igual e o fundo não fica queimado.
Use um bom chocolate em pó, nada de achocolatados com açúcar, existem marcas baratinhas com qualidade, as versões com 50% de cacau ou mais são as melhores.
Você pode adaptar receitas de bolo que já costuma fazer, mas lembre-se de diminuir o tempo para assar, em média uns trinta minutos.
Variar as coberturas deixa tudo mais divertido, além de deixar a receita mais colorida.

Minha receita de CupCake de Chocolate
Ingredientes da massa:

1 xícara (chá) de açúcar
5 colheres (sopa) bem cheias de margarina
4 ovos
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1  xícara (chá) de chocolate em pó
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 xícara (chá) de leite morno
1 colher (sopa) de canela em pó

Preparo:

Bata as claras em neve, guarde na geladeira.
Numa vasilha bata as gemas e acrescente o açúcar e a margarina, assim que virar um creme claro acrescente a farinha, o chocolate, a canela e o leite morno, bata para não ficar com bolinhas de farinha.
Acrescente o fermento, mexa e por fim a clara em neve.
Ligue o forno para esquentar, coloque duas colheres de massa em cada forminha de papel já arrumada dentro da base de alumínio. Deixe o forno na temperatura média e asse por uns 30 minutos.

Calda:

1 xícara (chá) de leite
5 colheres (sopa) de açúcar
3 colheres (sopa) de chocolate em pó

Preparo:

Misture os ingredientes e ferva, pode ser no microondas ou no fogão mesmo, assim que levantar fervura está pronto. Regue o bolo ainda quente, um pouquinho em cada CupCake

Cobertura 1

1 lata de leite condensado
1 caixinha de creme de leite
1 colher (sopa) de margarina
4 colheres (sopa) de chocolate em pó
Coloque em uma panela e leve ao fogo médio  a margarina, o chocolate, e o leite condensado, mexa, assim que ficar no ponto de brigadeiro acrescente o creme de leite e mexa mais um pouco ainda no fogo. Cubra os bolinhos ainda quentes e joque granulados coloridos.

Cobetura 2

200 gramas de chocolate em barra amargo ou meio amargo
1 lata de leite condensado
1 colher (sopa) de margarina
1 lata de creme de leite sem soro
3 colheres (sopa) de chocolate em pó

Preparo:

Numa panela misture a margarina, o chocolate em pó e o leite condensado. Prepare uma receita básica de brigadeiro, acresente o creme de leite sem o soro. Derreta no microondas ou em banho maria a barra de chocolate, misture tudo ainda quente. Cubra os bolinhos e decore com granulados coloridos.

Variações de decorações:

Damascos secos picadinhos, nozes, castanhas trituradas, cereal matinal triturado.
Servir como sobremesa com uma bola de sorvete de creme, dobrar a receita da cobertura 1 e regar o sorvete também.
Cobrir com canela em pó e acúcar de confeiteiro, nesta versão não precisa fazer a calda, assim evita deixar o bolinho muito doce.
Se alguém fizer me conte, não sou cozinheira, brinco ás vezes para relaxar da correria cotidiana e fazer um mimo para família.
Bjs e boa diversão.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Não, sim, talvez, nunca, sempre...

Não, não sou boa,
sou bruta minha alma não foi lapidada.
Não, não interessa,
se algumas palavras voam da boca feito facadas.
Não, não acredito,
desconfio do que vejo, e confio no que sinto.
Não, não concluo,
sou relapsa e me encanto com o novo.
Não, não, não,
sou do contra e sinto prazer em fazer isto.
E meus nãos carregam um sim tão sincero,
sim de sinto, sim de assim, sim de nudez.
Talvez, talvez seja confusa,
mania de quem faz sem pensar e pensa sem fazer.
Sim, meu sorriso é de um lugar escondido,
nem sei como chegar lá, só sei que sai.
Sim, minha raiva transparece,
mora junto com o sorriso, sem endereço.
Sim, meus olhos falam,
gritam alto, nem disfarçam, crianças travessas.
Não, não tenho certeza de nada,
certeza é um território perigoso, tenho medo de ir lá.
Sempre, sempre nem sequer existe
é loucura disfarçada de sonho.
Nunca, nunca é desejo fantasiado,
vontade de explicar o que assusta.
Não, sim, sempre, nunca, talvez,
palavras, pedidos, perdidos, caminhos.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Olhar

Passei um tempo sem escrever aqui, precisava olhar mais, deixar a vida fluir, organizar meu ninho.
Agora volto, cheia de alegria, inspirada...
Outro dia caminhei ao anoitecer e senti o vento frio tocar meu corpo, era quase um abraço, sensação de fazer parte e ao mesmo tempo de entrega ao seu sabor, voar sem sair do chão, estava acompanhada e mergulhada num silêncio tão bom.
Olhar o vento, sim eu vi, minha pele via, meu coração também e mesmo as belas luzes da noite paulista, o barulho dos carros e pessoas que circulavam, o manter o caminhar e carregar os pacotes que me acompanhavam, nada impedia a visão, era o vento...lindo, poderoso, prazeroso.
Meus olhos estavam abertos, tinham a função de guia, mostravam o percurso e nada mais, naquele momento só via o vento, o resto era só manter a marcha.
O espelho está colorido, flores amarelas e azuis saltam no tecido vermelho, folhas verdes aqui e acolá, no meio vejo além, meu rosto modificado pelo tempo, ás vezes percebo que cresci, outras que regredi e brinco com meus cabelos esticados, minha pele de vento, meus olhos de cão cativo, danço no ritmo das imagens e enxergo o que não via antes...
Não estou pronta, não queimei a argila da minha alma e posso molhar o barro e modelar novamente!
Percebi que sou meio marron terra, amarelo polén, vermelho sangue, preto noite, branco lua, azul céu, verde folha, é tudo assim muito misturado, tenho cor de aquarela.
Achava que  possuia meu corpo, mas me enganei, sou do vento, bastou ele soprar e me entreguei, mas o vento ele passa tão rápido que nem pude acompanhar.


segunda-feira, 18 de julho de 2011

Arte contemporânea

Nas últimas semanas tenho frequentado um curso de arte contemporânea e fui apresentada a vários artistas,  alguém compartilhou comigo, achei justo compartilhar, pelo menos por aqui. 
Fiz uma busca na internet e colareolei os links de alguns artistas que possuem sites e facilitam o acesso.


Francis Alÿs

http://www.francisalys.com/
Para saber um pouco mais sobre a vida dele:
http://editora.cosacnaify.com.br/Autor/1495/Francis-Al%C3%BFs-.aspx


Joseph Beuys


http://www.digestivocultural.com/ensaios/ensaio.asp?codigo=8&titulo=A_arte_como_destino_do_ser


O cara criava umas performances geniais, pena que não consegui achar no YouTube.


Félix Gonzales Torres
http://entretenimento.uol.com.br/27bienal/artistas/felix_gonzalez-torres.jhtm


Tom Sachs, este merece uma olhada com calma, suas performances são repletas de simbologia, e olha que não sei nada sobre o cara e já fiquei fascinada
http://www.tomsachs.org/

sábado, 23 de abril de 2011

Exposição " O mundo mágico de Escher"

Tem alguns benefícios por morar em São Paulo, cada hora aparece uma nova opção de lazer. Desta vez é uma exposição ótima no CCBB, a entrada é grátis mas a visita é um presente aos olhos.
Para  quem torce o nariz quando escuta a palavra Exposição é bom espiar um pouquinho e deixar-se afetar pelo encantamento da arte. Algumas obras desafiam a lógica, causam sensações que vão do fascínio ao espanto, muitas são interativas e palavra genial descreve em parte o que será visto por quem aceitar a sugestão de passeio. Aproveitei o feriado e fui com minha filha, voltaremos com calma pois estava lotado.

domingo, 3 de abril de 2011

Aniversário



Alegria de contar os anos e ver a vida tornar-se mais interessante, os problemas menos assustadores, e celebrar com quem nos ama, celebro os abraços da minha mãe, o nascimento e companhia da minha filha, o meu sobrinho que ganhei de presente de aniversário há dez anos atrás, celebro minha fase no ninho, plantando sabores e perfumes, tecendo beleza e carinho, celebro estar viva hoje rodeada de amor!
Hoje me dei rosas, até ontem não gostava delas. A pouco me acostumei a dormir cedo, o mundo não vai acabar se algo ficar inacabado. Voltei a tomar banho com bucha vegetal, e abandonei os inúmeros cremes que me tomavam tanto tempo. Decidi lutar pelas coisas que dependem do meu empenho, as que aguardam decisões ou comportamentos alheios não me cabem mais, um dia de cada vez e o que acontecer certamente já está traçado pelo destino. Estou mais alegre, com uma calma que nem sabia que habitava dentro de mim, mais esquecida e sem nenhuma vergonha em admitir, mais jovem apesar dos anos marcados nas velas afirmarem o contrário!

terça-feira, 15 de março de 2011

Quero ser protagonista de romance brasileiro

Depois de fazer 30 anos comecei a pensar em como minha história é escrita, quem são os personagens principais e como cada um se posiciona diante do desenrolar da trama.
Sempre escrevi em caderninhos, agendas e diários, alguns foram guardados em segredo durante anos, e agora eles guardam um passado que pode ser escancarado, nada é tão comprometedor como minha mente.
Nas últimas semanas arrumei algumas caixas, eram tantos livros empoeirados que não cabiam mais no meu lar, guardados em armários, porão e cantinhos que os olhos não alcançam... Separar-me deles foi tão fácil que me assustei, eles já foram tão importantes e agora resumiam-se a papel  para ser reciclado, e no meio de tudo isto foram memórias e confidências.
Quem sempre sobrevive é a protagonista da história, eu! Parece arrogante, mas é a mais pura verdade, pessoas passam por nossas vidas, algumas deixam marcas profundas, outras requerem fotografias para serem lembradas, nada é eterno, chega uma hora que a história termina.
Planejei muitas coisas, arrisquei quando senti vontade, parti quando necessário e não guardo arrependimentos, todos os passos me trouxeram para o ponto no qual me encontro...
É hora da protagonista recriar seu cenário, plantar flores na janela, trocar as cortinas e banhar-se em águas perfumadas. Prevejo mudanças, projeto, caminho pra que elas se concretizem, decisões que dependem da minha coragem, da capacidade de refazer-se, quebrar no meio, olhar para dentro e colar novamente.
Quero ser a morena que passeia na rua calma, banhada pela luz da lua, de olhos fortes e cabelos rebeldes, de caminhada cadenciada, o coração disparado pela simples alegria de existir naquele momento.
Mudei meus planos, nada de esperar o que não depende de mim!
Minha vida começa a ganhar novos traços, e quem escreve o desenrolar sou eu, cabe ao destino me dar fatos, encontros e desencontros para apimentar o enredo, em breve a fênix reaparece e depois de queimar no fogo, ressurgir das cinzas, e será impossível contentar-se com pouco.
Dispenso incertezas e segredos, quero carne, sangue e suor! Gosto de manga madura, cheiro de manjericão fresco, vestido florido,  balanço do vento, olhos brilhantes, mãos macias, trilha sonora. E se a vida for generosa aceito de bom grado um roteiro inspirado em Jorge Amado.  

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Dicas para um ótimo começo de ano!

E quem disse que no ano novo é bom usar branco!?!
Deveria experimentar romper estes padrões, soltar a franga e desfilar um pouquinho pelo bairro, garanto bons risos e um início de ano muito descontraido. Se quiser uma forcinha pra sair da casca é só nos chamar!!!
 Que nós somos meninas boazinhas, sorridentes, fortes, já sabemos... agora o que acontece quando começamos o ano assim... Só  em 2011 saberemos....
 Ano novo na minha casa é sinônimo de aniversário, vale cantar parabéns várias vezes! Durante o dia 01!
Junto com as velas, acrescente sorrisos, e vários pedidos! Pode ser num bolo de caneca, confeitado, o que vale é acreditar!

 Na madrugada, junto com a ceia da virada!
 E se ficar com vontade de cantar e soltar os bichos, é só se aventurar, disputar com as criancinhas e sair com a auto estima lá no céu!
Então nada de ir pra Paris, Copacabana, Av. Paulista ou outros destinos requintados, a receita é simples:
Encontre quem realmente gosta de você, se reinvente, entregue-se ao acaso, brinque muito, visite a porta do hospício, embrenhe-se no mato, veja vagalumes, água mansa e coma bem. Resultado: Muita sorte e alegria!
O resto é só acompanhamento, o prato principal só depende de cada um dos ingredientes humanos se encontrarem e comungarem de sentimentos livres e alegres!

sábado, 1 de janeiro de 2011

Ano Novo 2011

Preparei a ceia com dedicação,me arrisquei inventando receitas e convidei as pessoas que amo para compartilhar, algumas não puderam vir...
Não me importo com estas tradições e superstições que envolvem o heveillón, roupa nova, pular ondinhas, comer uvas, lentilhas e blá, blá, blá...
Gosto de ver os fogos, acho lindo! Ver as pessoas desinibidas abraçando estranhos e desejando boa sorte, das comidas e do gostinho bom do espumante barato que faz cócegas no céu da boca.
Recebi minha amiga Beth e sua família, figuras maravilhosas, ela com sua personalidade e presença marcante, seu pai com humor inteligente e perspicaz,  sua mãe a bela Vera uma dama, delicada, quase um personagem de filme em preto e branco, e a Ana minha filha que já é obrigada a viver comigo o ano todo.
Compartilhei meus adereços e cada um escolheu sua forma de brincar com a imagem, peruca, tiarinhas sugestivas, óculos e saimos pela rua, rsrs.
A represa foi nosso destino, nos embrenhamos no meio do mato, num baita escuro, com direito a sapinhos e vagalumes, a água mansa balançando, barquinhos e pescadores ao longe,  a queima de fogos com corações se formando no céu, misto de imagens e sensações. 
Em meio a este cenário pensei no que poderia prometer pra 2011, e decidi não prometer nada, quero aflorar meus instintos, soltar a voz, fazer o que der na telha. Segundo o calendário Maia em 2012 o mundo vai acabar, então este será o ano de dar vazão aos sentidos e sentimentos!
Hoje também é uma data pessoal, aniversário da minha filha e meu de mãe, são treze anos nesta jornada de descobertas, não encontro palavras para descrever o que se sente com o nascimento de um filho e certamente esta sempre será a data mais importante da minha vida, já que é pouco provável que eu tenha outro, seremos nós duas e a vida. 
E para 2011 que existam muitos encontros e desencontros, que a lua brilhe no céu, que os sabores sejam únicos!